| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

URBANO EM REDE
Desde: 02/05/2011      Publicadas: 129      Atualização: 16/10/2018

Capa |  Bloguistas  |  Cantinho do aluno  |  Cantinho do professor  |  Escola da Família  |  Esportes  |  Projetos  |  Urbano no ar


 Cantinho do professor

  14/09/2016
  0 comentário(s)


Sobre espaços: meus, seus e nossos

Texto publicado originalmente no jornal "Educação em Movimento" de junho de 2016. Edição especial em comemoração aos 10 anos da Fundação Tide Setubal.
Reflexões sobre o tema: Ocupação do espaço público e direito à cidade.

Sobre espaços: meus, seus e nossos
Qual o significado das frases "A rua é pública?" "A escola é pública?"

É muito comum que o que é público seja entendido como terra de ninguém, se a escola é pública eu posso quebrar seus vidros e carteiras porque "não dá em nada", ninguém vai se importar. A frase "não dá em nada" ecoa pelos corredores de muitas escolas e dificulta extremamente as relações humanas que acontecem dentro desse espaço público. Mas voltando ao que é público, muitas vezes ou quase sempre, também é entendido como ruim, de baixa qualidade.

Nós que moramos na periferia da cidade dependemos muito de serviços públicos, escolas, postos de saúde, hospitais, mas isso não quer dizer que esses serviços sejam ruins. Ser público significa pertencer ao povo, a uma coletividade. É claro que muitas vezes a qualidade dos atendimentos diminui devido à alta demanda e ao reduzido investimento governamental.

Portanto a escola, a rua, a praça são públicas, pertencem ao povo, que usufrui desses bens coletivamente. Muitas vezes os espaços coletivos são negados a uma parte da população, presenciamos essa negação com os "rolezinhos", eventos organizados por jovens da periferia com o objetivo de se divertirem em espaços públicos. A consequência disso foi uma grande polêmica na mídia, algumas discussões sobre a ocupação desses espaços públicos pelos jovens. Questão controversa, porque os Shoppings não se consideram espaços públicos, mas sim privados e destinados a clientes. Poucas ações concretas foram realizadas para proporcionar a esses jovens entretenimentos e atividades culturais próximas às suas residências. Curiosamente, a cidade organiza eventos culturais em muitos bairros centrais, ruas de lazer, atividades em bibliotecas, Centros Culturais, sem contar a rede Sesc que está localizada majoritariamente em bairros mais centrais. Muitas vezes quando as atividades acontecem na periferia ou são mal divulgadas ou são em locais inapropriados para um grande número de pessoas.

É necessário aumentar o número de atrações culturais e de entretenimento nas periferias, fortalecer os coletivos culturais e populares, melhorar a divulgação, mas também é importante a participação ativa de cada jovem, cada cidadão em ter a curiosidade de descobrir o que acontece no Ponto de Cultura mais próximo, na Biblioteca do Bairro, na ONG localizada no bairro vizinho e no projeto Escola da Família das escolas estaduais.

Ah! Voltando à frase "isso não dá em nada" é preciso ter consciência que dá sim, quando eu quebro uma cadeira, uma carteira, um ventilador, será necessário mais dinheiro público (aquele que é da coletividade, não só meu, nem seu) para repor o que foi estragado, retirando recursos que poderiam ser usados para coisas mais legais do que a reposição de material.
  Autor:   Prof.ª Fabiana Azevedo


  Mais notícias da seção Construindo relações no caderno Cantinho do professor
02/06/2017 - Construindo relações - Relato de ex-aluna
A professora Tamara conta a sua história de ex-aluna e atual professora de Língua Portuguesa da E.E. Reverendo Urbano de Oliveira Pinto...
18/05/2015 - Construindo relações - Artigo: "Meu refúgio,meu bueiro".
PROTEJA NOSSAS CRIANÇAS DENUNCIE ABUSOS DE QUALQUER NATUREZA PARA O CONSELHO TUTELAR !!! DISQUE 100....



Capa |  Bloguistas  |  Cantinho do aluno  |  Cantinho do professor  |  Escola da Família  |  Esportes  |  Projetos  |  Urbano no ar
Busca em

  
129 Notícias